Review: O Dragão de Gelo

“Se joga debaixo do cobertor, deixa o frio entrar pela janela e leia esse livro”

Caminhava despreocupadamente pela Livraria Cultura quando avistei, em uma estante discreta, o novo – velho – livro de George Martin: “O Dragão de Gelo”. Imediatamente lembrei do pouco que já havia lido sobre essa obra na internet: uma espécie de conto infantil que poderia se passar no mesmo mundo das Crônicas de Gelo e Fogo – alguns sites negam essa afirmação. Como eu e meu irmão somos aficionados pelo universo construído por George Martin e por seu estilo único de escrita, decidimos dar uma chance à essa espécie de spin-off. E não me arrependi.

Antes de mais nada: vamos esclarecer qual a ligação do “O Dragão de Gelo” com as Crônicas de Gelo e Fogo. A obra foi escrita 16 anos antes da publicação do “A Guerra dos Tronos”, primeiro título da série. Logo, ele me parece muito mais um ensaio, uma obra com algumas ideias iniciais do autor, que com o tempo desenvolveria o universo de Game of Thrones. Exemplos de alguns elementos em comum: o Norte é o reino frio e rigorosos com que nos familiarizamos. O Rei possui Dragões a seu serviço. A Estrada do Rei existe, e com esse mesmo nome, inclusive. Essas são as poucas coincidências que você encontrará durante a leitura – caso tenha achando outras referências, comenta aqui 🙂

capa da edição brasileira dragão de gelo

Capa da edição brasileira, lançada pela Editora Leya

Vamos à história. Dessa vez não acompanhamos a vida da nobreza de Westeros, mas sim de uma família de fazendeiros. A protagonista é Adara, uma menininha de 7 anos muito especial. Sua mãe deu a luz à ela durante um dos dias mais frios do inverno mais rigoroso que aquela família já viu. Beth, sua mãe, morrera durante esse parto, e com o tempo todos perceberam que Adara era uma menina diferente. Ela raramente sorria ou chorava. Sua pele bem clara era muito resistente ao frio. E enquanto todos odiavam o Inverno, ela o amava, pois apenas durante essa estação ela se divertia, brincando na neve, construindo castelos de gelo, etc.

“Diziam também que o frio havia entrado em Adara no útero, que sua pele era azul-clara e gelada ao toque quando nasceu e jamais havia se aquecido após todos esses anos. O inverno a tocara, deixara nela sua marca e tomara a garota para si”.

Como esse livro é uma obra infantil, não temos incestos, por exemplo, mas ainda há um pouco de drama familiar na história. Adara possui dois irmãos, Geoff e Teri, ambos mais velhos e diferentes demais de Adara para que estes pudessem ter uma relação mais próxima. Seu pai, John, é um fazendeiro que vive sempre ocupado demais com seus afazeres, e que apesar de amar sua filha Adara, não consegue demonstrar por julgar que jamais conseguirá quebrar a barreira fria que a tragédia decorrida do seu nascimento impusera entre eles. A menina também tem um tio, Hal, um cavaleiro de dragões, que no momento certo mostrará sua importância para a trama.

Mas porque o nome é “O Dragão de Gelo”? Pois Adara tem um amigo especial, um companheiro que só aparece durante os invernos. É um gigantesco dragão congelado, uma criatura com sopro congelante e poder de transformar planícies verdejantes em terrenos frios. A gigantesca criatura torna-se uma válvula de escape para a menina, pois montada em seu dorso – algo que ela já se mostra capaz de fazer aos 5 anos – ela pode voar, pode encarar a sua fazenda e sua família como pequenos pontos na terra. Enfim: com seu dragão, Adara é uma menina especial, mas pela primeira vez isso significa uma coisa boa.

“Sobrevoaram a fazenda de seu pai, e ela avistou Geoff bem pequeno lá embaixo, sobressaltado e com medo, e soube que o garoto não podia vê-la. Isso a fez dar uma gargalhada gélida e tintilante, uma gargalhada tão nítida e fresca quanto o ar do inverno”.

O livro é bonito, tocante, e passa mensagens positivas, como carinho, amizade e fraternidade. Bem diferente do que estamos acostumados a ver George Martin escrever, não é? Isso só mostra como o autor é versátil e consegue nos encantar de diversas maneiras. Claro que a historia da obra não teria o mesmo impacto sem as ilustrações de Luis Royo, artista espanhol que embeleza o livro com belíssimos desenhos do dragão de gelo, de Adara e de todas as personagens e cenários que compõe a trama. Ah, e aqui fica um elogio à Editora Leya: excelente publicação, com papel off-set em todas as páginas e até algumas delas coloridas. Excelente material, parabéns aos envolvidos.

adaraAdara brincando na neve, acompanhada de perto por seu amigo dragão.

“O Dragão de Gelo” pode ser considerado um spin-off das Crônicas de Gelo e Fogo. Ou você pode achar que é apenas uma obra infantil com alguns elementos em comum. Independente disso, o livro merece lugar em sua estante, graças à bonita e comovente história de Adara e as importantes lições de moral que podemos tirar dela. As ilustrações são um show à parte, e todo esse pacote chega aos leitores pelo preço médio de R$ 40, o que não é exatamente caro pelo cuidado da Leya com o material da publicação. Caso você seja um fã de George Martin e queira acompanhar mais um trabalho de sua carreira, essa é a minha dica.

Facebook Comments

Lucas Bastos

Mestre em Comunicação, 7,8 na escala Nerd, fã obsessivo de FMA, Marvel fanboy e defensor da tese de que George Martin é melhor que Tolkien.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *