Review: Another Note – O Caso dos Assassinatos em Los Angeles

“Uma aula de como escrever um spin-off”

Um fenômeno recorrente no universo geek atualmente é proliferação dos chamados spin-off. O conceito pode ser definido pela criação de uma obra baseada em um elemento pertencente a uma obra anterior, mas que não segue necessariamente o mesmo enredo ou temática central. Exemplo prático: o personagem Joey de “Friends” estrelou uma série própria após o término da série. Era o mesmo personagem interpretado pelo mesmo ator, mas em um ambiente diferente envolvido em outra trama.

Os fãs mais fervorosos de uma série, anime, mangá ou etc. costumam ficar com um pé atrás em relação aos spin-off. Apesar de muitos quererem ter um novo contato com suas obras prediletas por ângulos diferentes, existe sempre o medo de termos nosso universo fantástico malucado por um desdobramento horroroso da obra. Felizmente não é isso que acontece em “Another Note: O Caso dos Assassinatos em Los Angeles”.

another noteEsse livro eu julgo pela capa – e aprovo

A obra foi originalmente escrita por Tsugumi Ohba e Takeshi Obata, autores de Death Note. Mas antes de mais nada é necessário avisar ao leitor: “O Caso dos Assassinatos em Los Angeles” é um livro, não um mangá! Isso me causou estranheza e uma certa resistência, a princípio. Por mais que, na minha opinião, o roteiro de Death Note seja mais importante que a arte, pensei que sentiria falta dos traços de Obata. Mas a narrativa do livro é tão boa que não me senti perdido ou nem menos impactado pelos acontecimentos devido à falta do apelo visual.

A história se passa dois anos antes do início do mangá (entenda-se aqui como início o momento no qual o Kira encontra o caderno). Já nessa época o maior detetive do mundo é L, um dos protagonistas da obra original. Sua parceira de investigação dentro do livro também é uma velha conhecida dos leitores: Naomi Misora, investigadora do FBI, casada com Raye Penber, enganada e levada à morte pelas tramas de Light/Raito. No começo do livro Naomi está suspensa do FBI, o que dá a L a oportunidade perfeita de incluí-la em seus planos.

naomiPara quem não ligou nome à pessoa, essa é a Naomi.

O enredo é simples, mas envolvente. Uma série de misteriosos assassinatos vem ocorrendo em Los Angeles. Todos magistralmente arquitetados de uma maneira que nem L é capaz de desvendar quem será a próxima vítima. Até agora três pessoas foram mortas e de maneira alguma o grande detetive permitirá que uma quarta perca sua vida. E o seu melhor plano é mandar Naomi Misora investigar, com intuito de impedir que o assassino, um velho conhecido de L, finalmente vença sua cruzada pessoal contra eles.

Sim, a identidade do assassino do livro é revelada desde o início: ele é Beyond Birthday, ou B.B., um velho aluno da casa na qual L, Mello e Near foram criados, e um dos maiores adversários do grande detetive. O objetivo do antagonista é simples e até infantil: fazer o crime perfeito e vencer L. Naomi cai no meio dessa confusão e é obrigada a lutar por sua vida.

O legal da narrativa é que ela é dividida entre três momentos. Na maior parte do tempo vemos a história através dos olhos de Naomi. Por vezes podemos observar o desenrolar dos fatos pela perspectiva de Beyond Birthday. Mas o destaque fica para o narrador onisciente que traz os fatos até o leitor: Mello. O personagem, que aparece com pouco destaque no mangá, é o encarregado de dar os detalhes de como o caso se desenrolou e quais foram as consequências do mesmo para a vida de L e Naomi.

melloTava com saudades dele?

A narrativa flui com facilidade: todos os mind games presentes em Death Note podem ser encontrados aqui também, e as reviravoltas são tão impressionantes que por vezes me peguei relendo o parágrafo anterior para saber se tinha entendido direito o que havia acontecido. Cabe um destaque à qualidade gráfica do material: a diagramação é muito bonita e as ilustrações só enriquecem a obra. Ponto para Obata e para a JBC, editora que trouxe esse sucesso para o Brasil.

E toda review de um spin-off levanta aquela pergunta: um fã da obra original – nesse caso, Death Note – precisa ler isso? Minha resposta é: sim. “Another Note: O Caso dos Assassinatos em Los Angeles” é um prelúdio muito interessante para o mangá, uma rara oportunidade de entendermos melhor a cabeça de L, uma história com o DNA de Death Note e a prova de que esse universo criado por Ohba e Obata tem força suficiente para se expandir através de mangás, livros, filmes, e o que mais vier pela frente.

Facebook Comments

Lucas Bastos

Mestre em Comunicação, 7,8 na escala Nerd, fã obsessivo de FMA, Marvel fanboy e defensor da tese de que George Martin é melhor que Tolkien.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *