Top 10: piores Pokémon de todos os tempos.

Um verdadeiro show de horrores: esses são os 10 piores Pokémon da história.

Houve um tempo no qual os treinadores tinham apenas uma missão: capturar os 151 Pokémon existentes. Dentro dessa chamada primeira geração, já existiam alguns espécimes que nos faziam torcer o nariz. Mesmo que para muitos tenha sido a época de ouro da franquia, ainda assim alguns Pokémon eram dispensáveis. Feios. Gostaríamos até de desvê-los, se possível. Hoje, mais de 20 anos após as primeiras edições dos jogos, já são mais de 800 monstrinhos capturáveis disponíveis. Nem precisamos falar que a lista de criaturas esquisitas se multiplicou exponencialmente, certo?

Há alguns meses,  fiz uma lista dos 10 melhores Pokémon de todos os tempos. Se você ainda não conferiu esse ranking, a hora é essa, só clicar aqui. O texto fez um sucesso surpreendente, o que me deu a ideia de desenvolver uma lista radicalmente oposta. Que tal conferirmos os 10 PIORES Pokémon da história?

Antes de começar a lista, vou explicar alguns dos critérios que utilizei para desenvolver a lista. Em primeiro lugar, aspectos estéticos: se o Pokémon é bonito ou não. Em segundo lugar: sua familiaridade com algum animal ou planta existentes. Terceiro: sua familiaridade com algum objeto ou “coisa” existente. Em quarto lugar: procurei não repetir dois Pokémon de uma mesma cadeia evolutiva. Em quinto lugar: procurei contemplar todas as gerações existentes. Em sexto lugar: não coloquei as chamadas Ultra-Beasts na lista pois nem as considero Pokémon.

Sem mais delongas, vamos à lista:

10 – Plusle/Minun (3ª geração)

Parece estranho começar um Top 10 com dois Pokémon ocupando só um slot. Mas esse é o principal problema dessa dupla: eles deveriam ser apenas 1, mas a Game Freak fez questão de criar dois sub-pokémon! Se por acaso os dois fossem um ratinho elétrico, a ideia seria fraca, mas passável: toda geração tem seu “clone” ou derivado de Pikachu, é quase um padrão da franquia. O problema é que a terceira geração resolveu cortar a ideia no meio e deixou ainda pior. Plusle e Minun são uma referência a prótons e elétrons, cargas positivas e negativas, etc. mas vamos ser francos, isso não sustenta o fato de termos dois espaços dentro da Pokédex destinados a monstrinhos totalmente dispensáveis, certo?

9 – Unown (2ª Geração)

Nada me tira da cabeça que o motivo por trás da criação do Unown foi ensinar o alfabeto à crianças gamers. Unown é um Pokémon psíquico que tem formas distintas, dentre elas as letras do alfabeto. Essa criatura apareceu pela primeira vez na segunda geração e recebeu uma side-quest dentro do jogo. Os jogadores podiam caçar todos os tipos diferentes de Unown para completar uma Pokédex específica. E como recompensa por isso, ele ganhava… nada. Muito bem, Nintendo, você nos fez perder um tempo precioso. Além disso, o bicho é completamente inútil em batalhas, já que aprende apenas Hidden Power, um golpe fraco e de tipo randômico. Para piorar: ainda fizeram um filme bastante chato baseado nesses monstrinhos. Qual a necessidade disso, minha gente?

8 – Jynx (1ª Geração)

Jynx, sob muitas perspectivas, foi um erro. Existiam poucos Pokémon com formas humanas na primeira geração. Tínhamos alguns monstrinhos que simulavam lutadores – Machamp, Hitmonlee e Hitmonchan. Electabuzz e Magmar eram criaturas ligadas a elementos. Mr. Mime era um Mímico. Jynx era…. o que? O Pokémon era tão feio e desconexo, que logo surgiram teorias sobre uma inspiração racista para sua criação. A pele negra, os lábios grandes, o cabelo loiro poderiam ser, segundo essa visão, uma caricatura racista de uma mulher negra. A Nintendo rapidamente tratou de fugir da polêmica, alterando as cores do Pokémon nas gerações futuras. Os tipos do Pokémon também nem contribuem para dar uma identidade a ele: gelo e psíquico. Porque? Não sei. Podemos fingir que Jynx nem existiu?

7 – Palossand (7ª Geração)

Palossand foi criado em uma geração na qual claramente a Game Freak já não tem mais a criatividade de outrora. Já imagino um dos designers chegando no trabalho, depois de um fim de semana na praia, gritando “TIVE UMA IDEIA DE POKÉMON”. Ai ele falou que seria um castelo de areia ambulante e todos acharam uma grande ideia. O meu incômodo com Palossand não é com o fato dele ser inspirado em um objeto. Afinal, já tivemos vários Pokémon criados dessa forma. O que me irrita é ele ser um fantasma pouquíssimo assustador. Palossand, pela lógica, é um espirito que se apossou de um castelo de areia. Você já está com medo, não é? Afinal, quem não tem uns 5 castelos de areia em cada e tem pavor que um deles ganhe vida? Acho que nunca mais vou à praia depois disso.

6 – Drifbilm (4ª Geração)

Drifblim é um balão. Ponto final. Preciso falar mais alguma coisa? Ok, eu sei que já tivemos Pokémon na categoria objetos banais, mas olhem o Drifblim. Ele é feio. Esquisito. Ele é um Pokémon voador (óbvio) e… fantasma. Ai caimos na mesma história do Palossand: onde esse fantasma é assustador, minha gente? E para piorar, no jogo essa criatura é irritante demais. Quase todos eles possuem a habilidade Aftermath, um recurso que, quando ele é derrotado, faz o Pokémon atacante receber dano. Já perdi a conta de quantos Double K.O. esse infeliz já me fez passar. Ou seja: não tenho felicidade nem mesmo na hora de bater nesse infeliz aí.

5 – Gothitelle (5ª Geração)

Gothitelle foi criado para se aproveitar do fênomeno/cultura Lolita. Há quem diga que o Pokémon faz referências a cartomantes ou elementos relacionados a plano astral… mentira, o negócio é criar um monstrinho Lolita mesmo. Gothitelle é um pokémon tão sem personalidade que me dá vontade de desvê-lo. Nem o seu tipo ajuda: Psíquico é quase o coringa do jogo, um recurso que acompanha os Pokémon sem personalidade própria. Ele não tem nenhuma importância dentro da franquia, nem mesmo aparições mais dignas de nota no anime. Bom trabalho, pessoal!

4 – Comfey (7ª Geração)

A 7º geração se passa em Alola, um continente inspirado no Havaí. E não existe mais nada característico da cultura local do que um colar havaiano, certo? ENTÃO VAMOS FAZER UM POKÉMON QUE SEJA UM COLAR HAVAIANO! Pronto, nasceu o Comfey. Ele não é forte, não é bonito, não evolui pra nada, não é legal… é um souvenir animado. Se a oitava geração se passar no Rio de Janeiro, vai ter Pokémon biscoito Globo e Matte-Leão, podem anotar aí. Prezados funcionários da Game Freak: qual é a DIFICULDADE de criar um monstrinho que não seja um colar de flores? E o bicho ainda flutua sem ser voador ou ter Levitate ou ao menos ter alguma justificativa para isso, o que é bastante irritante.

3 – Garbodor (5ª Geração)

Garbodor é o típico caso de erro poderia ser evitado se aprendêssemos com nossos erros. Na primeira geração, havia Muk, um pokémon lixo tóxico. A ideia não era muito boa – inclusive ele QUASE entrou nessa lista. Ai na quinta geração, alguém achou uma ótima ideia repetir a besteira. Nasceu Garbodor, um Pokémon lixo – em muitos sentidos. Além de ser uma cópia mal feita, ele é feio. Não consigo imaginar ninguém falando “NOSSA, CAPTUREI UM GARBODOR, UHUUUL”. Se todos nós sabíamos que Muk já tinha sido uma ideia ruim, porque repetiram? Até hoje me deparo com esse mistério.

2 – Vanilluxe (5ª Geração)

Tenho certeza demoram 2 minutos e meio criando Vanilluxe. Provavelmente precisavam de um Pokémon gelo para compôr a lista da quinta geração. Sabe o que combina com gelo? Sorvete. Pronto, ótimo trabalho, pessoal. Ai os criadores desenvolveram um trio evolutivo inteiro baseado nessa premissa. Vanilluxe é o topo da desgraça: um sorvete com duas bolas, casquinha e um canudinho para dar um charme. Aparentemente, se uma criança quer comer um sorvete no mundo Pokémon, ela tem que primeiro batalhar com ele para depois se alimentar do bicho. Eu preciso argumentar mais?

1 – Klefki (6ª Geração)

A sexta geração tem a honra de abrigar o pior Pokémon de todos os tempos. Klefki é uma criatura baseada em um objeto super legal e diferentão… um molho de chaves. Não só baseado: ele É um molho de chaves. Essas chaves que estão com ele fazem parte do corpo? Se eu tirar dele, o bicho sente dor? Eu posso colocar a chave da minha casa no meu Klefki. Muitas perguntas no ar, e todas elas tão idiotas que mostram a inutilidade desse Pokémon. Quando abordamos o tipo dele, o absurdo ainda aumenta: ele é metal e FADA. Não existe nada mais MÁGICO e fabuloso do que um chaveiro, não é mesmo? E para completar a tragédia: durante algum tempo esse ser esquisito ainda foi competitivo, ou seja: era um festival de Klefki no modo online.

 

E aí, gostaram da lista? Acha que os piores Pokémon da história são outros? Ficou indignado com a inclusão de algum deles nessa trágica lista? Não deixe de comentar aqui no post! Abraços.

Curta a nossa fanpage: https://www.facebook.com/realdrophour/

Facebook Comments

About Lucas Bastos

Mestre em Comunicação, 7,8 na escala Nerd, fã obsessivo de FMA, Marvel fanboy e defensor da tese de que George Martin é melhor que Tolkien.

View all posts by Lucas Bastos →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *