Rewind: Vampire: The Masquerade – Redemption

Quando uma franquia é muito boa, ela acaba indo para outras mídias. Esse é o caso de Vampire: The Masquerade – Redemption (VTMR). Um clássico baseado no RPG Vampiro: a máscara (que comentamos em um texto, confira aqui). VTMR foi lançado para pcs em 7 de junho de 2000, pela Actvision e que é um jogo com bons gráficos para época. VTMR_cover

Como todo bom jogo de RPG, a história é um ponto fundamental e, por isso, vamos ao enredo! Em VTMR acompanhamos a história de Cristof Romuald, um cruzado francês que está em Praga na chamada Idade das Trevas. Cristof é um homem de boa índole que se apaixona por Anezka, uma freira que cuidava de suas feridas. O que até então não passava de uma história comum, apresenta uma reviravolta quando o arcebispo de Praga pede para que o cruzado vá até as minas de Prata de Bona para matar Ahzra The Unliving, uma Tzimisce Distorcida. Após completar sua missão e retornar à Praga, Romuald começa a chamar atenção dos vampiros locais e logo é “abraçado” (transformado em um vampiro) por Ecaterina, o Sábio, líder do clã Brujah, que visa aumentar as fileiras dos vampiros que se preparavam para uma batalha entre os clãs. Agora como um morto-vivo, Cristof percebe que se desviou do caminho de Deus e então nosso protagonista passa procurar uma maneira de se redimir (principalmente pelos seus pensamentos pecaminosos pela freira) e reaver sua alma. Mas sua luta interna não é o único problema do templário, a morte de Ahzra faz com que outros seres busquem vingança que terão como vítima a freira Anezka. VTMR se passa inicialmente em praga na idade das trevas, mas depois passamos para os dias atuais em cidades como Londres e Nova York. Durante a saga de Crisfot, o jogador tem contato com 12 dos 13 clã133444-vampire-the-masquerade-redemption-windows-screenshot-and-as (Ravnos ficaram de fora) do famoso RPG de mesa.

Sobre a sua jogabilidade, VTMR traz um estilo de RPG dinâmico onde controlamos 4 personagens, podendo intercalar entre eles. Possuía um multiplayer, mas na época não deu muito certo. Um elemento interessante do jogo é o sistema de perda de Humanidade que faz com que você perca o jogo caso Cristof chegue a 0 na tabela. Além disso, há um número considerável de equipamentos no jogo como diferentes espadas, armas de fogo (como rifles de assalto) e bolsas com sangue que são usadas para curar e ativar as famosas disciplinas do jogo original.

Apesar de ser um jogo antigo, considero VTMR um ótimo jogo. Uma adaptação de um jogo de mesa que, como fã, achei que deu muito certo. Na época de seu lançamento, eu procurava tudo que podia sobre Vampiro: a máscara, e ter me deparado com esse jogo, que conta a história de um personagem oficial, foi uma experiência incrível e recheada com o horror pessoal que a franquia tem que ter.

Facebook Comments

Um comentário em “Rewind: Vampire: The Masquerade – Redemption

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *