Review: Fire Emblem – Awakening

“Comecei com o pé direito”

Acredito que a maioria dos gamers possuem gêneros preferidos. Eu, por exemplo, gosto muito dos jogos plataforma, beat’em up, aventura, futebol…Mas o clássico Japanese RPG, ou Turn-Based Strategy (similar, mas não igual) nunca estiveram no topo da minha lista. Mas devido ao sucesso de “Fire Emblem: Awakening” e a aparição de nada mais nada menos do que 4 personagens da franquia no novo Smash Bros., decidi dar uma chance ao título. E hoje posso dizer: não me arrependo da minha decisão.

Agora vamos entender porque fiquei tão feliz com esse game. Comecemos por um fator que considero essencial na hora decidir se compro ou não um jogo: a sua duração – ou replay, como alguns sites gostam de chamar. Quantas horas de diversão eu terei ao jogá-lo? Há uma grande diferença entre uma campanha de 10 horas e uma de 30. Felizmente “Fire Emblem: Awakening” arrasa nesse quesito: zerei a campanha em 25 horas. Além disso, há literalmente dezenas de DLCs disponíveis que deixam a história mais extensa. Ah, e recomecei o jogo para zerar no Hard, o que deve levar umas 40 horas, pelos meus cálculos. Tá bom ou quer mais?

fire emblemCara, você tá indo pro outro lado…deixa pra lá, tua cabeça é teu guia

Sobre a jogabilidade: é um clássico Turn-Based Strategy. Você comanda as tropas dos eu exército no mapa e deve derrotar os inimigos. Falando assim parece fácil, não é? Anda, anda, bate, bate e pronto. Mas existem dezenas de fatores a considerar. Nem todas as tropas andam na mesma velocidade. Tropas aladas – sim, existem Pégasus no jogo – são máquinas de guerra, mas morrem fácil para Arqueiros. Espadas, Lanças e Machados guardam uma relação de Pedra, Papel e Tesoura entre si, fazendo você pensar 12 vezes antes de fazer um movimento. E eu optei por jogar no Classic Mode, que acrescenta um drama às batalhas: se o HP de um dos seus personagens chegar a zero, é game over pra ele, tá fora do resto do jogo! Ou seja: melhor pensar MAIS um pouquinho antes de partir para cima do inimigo de qualquer jeito.

Fire-Emblem-Gameplay1

Assim, 4 vs 1, fica fácil…quero ver quando fica 10 seus contra 30 – e isso realmente ocorre no jogo

Outro elemento bacana da jogabilidade é a possibilidade de fazer casais. O seu personagem, por exemplo, pode casar-se com quase todas as personagens femininas do extenso roster do jogo. Qual a vantagem disso, afinal? Duas: a primeira delas é que casais lutam muito bem lado a lado, recebendo bônus bastante interessantes, como mais esquiva, defesa, etc. E a segunda: os filhos deles podem ser encontrados no jogo e recrutados para seu exército? Doideira, né?

Chrom galanteador

Chrom e algumas de suas possíveis esposas

Ah sim, a história! Posso dizer que ela tem o Selo Nintendo de qualidade. Chrom, um príncipe do reino de Ylisse, e seus companheiros encontram seu personagem – o qual você pode nomear e caracterizar livremente – desacordado. Seu personagem logo é acolhido pelo grupo e rapidamente é obrigado a ajudar Chrom e seu exército na guerra contra o reino Vizinho, Plegia, uma teocracia que adora o dragão Grimma, vilão do jogo. O enredo não é exatamente criativo, mas não é repetitivo e em nenhum momento me irritou por ser infantil ou enfadonho. Pelo contrário: os diálogos são bem legais, e a possibilidade de fazer os personagens conversarem entre si nas horas vagas faz com que a história fique mais rica e completa, tornando-se mais do que uma simples luta contra o mal.

fire emblem quote

Uma das grandes questões da vida

Cabe um destaque especial aos personagens. Os protagonistas são Chrom, o simpático príncipe com bastante de Steve Rogers em si e o seu próprio avatar – cujo nome padrão é Robin. Os dois são bem construídos, mas felizmente não são os únicos que ficarão em sua memória. O roster, cujo qual até agora não sei quantos personagens possui no total porque nunca acabo de descobrir todos, é recheado de figuras coloridas, com personalidades, histórias, gostos e manias diferentes. Aliás, fiquei muito feliz quando Robin e Lucina foram escolhidos para o novo Smash Bros. Chrom? Bom, você fica para a próxima, infelizmente. Ah, uma obs: alguns DLCs permitem jogar com figuras clássicas da franquia, como Marth e Ike!

Se você não viu como ficaram os personagens de Fire Emblem em Smash Bros, só conferir nesse vídeo!

“Fire Emblem: Awakening” foi lançado em fevereiro de 2013, mas ainda é uma ótima aquisição para qualquer dono de 3DS. Ótima jogabilidade, dezenas de horas de lutas e emoções, personagens cativantes e cinemáticas dignas dos melhores animes fizeram desse jogo um ótimo começo para mim nesse gênero de rpg de turnos. E agora vou lá tentar zerar DE NOVO esse jogo no Hard.

Chrom e Lissa

Chrom e Lissa tão te esperando, vai lá jogar logo, acabou a review

Facebook Comments

Lucas Bastos

Mestre em Comunicação, 7,8 na escala Nerd, fã obsessivo de FMA, Marvel fanboy e defensor da tese de que George Martin é melhor que Tolkien.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *