Review: 999 – Nine Hours, Nine Persons, Nine Doors

“Se esse jogo fosse um livro, seria um Best-Seller”

Um dos gêneros de games mais injustiçados é o visual novel. Caracterizado por longos textos, foco total na história em detrimento da jogabilidade – esta normalmente limitada a interação com objetos e escolhas de diálogos -, esse tipo de jogo é o preterido de muitos. Eu faço parte do grupo que admira o gênero e está sempre disposto a experimentar um novo título. “999”, ou “Nine Hours, Nine Persons, Nine Doors” foi o meu primeiro, e até hoje figura no meu Top 5 de melhores games que já joguei em toda minha vida.

999 é um exclusivo de Nintendo DS, mas não espere encontrá-lo nas prateleiras de uma loja qualquer. Nunca o vi vendendo no Brasil e até mesmo em sites internacionais é difícil de encontrá-lo. Minha saída foi jogá-lo através de emuladores e não me arrependo da aventura de ficar 8 horas em frente ao computador lendo e resolvendo puzzles.

Trailer do jogo: suspense é o que não falta aqui

Como já falei na introdução, em uma visual novel, o que importa é a história, então vamos a ela. Seu personagem, Junpei, um jovem japonês, acorda em uma cabine de navio. Ele não sabe como chegou ali e nem tempo de pensar nisso, já que ela está lentamente inundando! Para sair do local você precisa resolver um puzzle complexo, e logo o jogador já é forçado a colocar a cabeça para funcionar. Quando você escapa dessa situação, seu personagem chega ao deck principal do navio e descobre que não está sozinho nessa enrascada: outras 8 pessoas também foram raptadas. Entre elas uma velha amiga de infância, Akane, por quem Junpei sente um amor secreto – e em breve você também sentirá.

999-9-hours-9-persons-9-doors-cover

Capa do jogo: em destaque estão justamente os protagonistas, Junpei e Akane.

Mas afinal, porque essas 9 pessoas estão ali naquele local desconhecido? Infelizmente alguém responde a essa pergunta: Zero, o sequestrador. Todos foram obrigados a jogar um jogo: o Nonary Game. As condições são essas: o navio no qual estão os participantes está afundando, e ficará completamente submerso em 9 horas. Existem 9 portas dentro da embarcação, cada uma com um número – de 1 a 9. Quem atravessar a porta 9, está fora do navio e, portanto, venceu o jogo. Quantos podem escapar? Em teoria, todos. Todos irão cooperar para fugir juntos? Bom, essa é outra história…

Zero.(999).full.1027699Eis nosso antagonista: Zero, a mente por trás do Nonary Game

A grande diversão por trás de 999 são as escolhas difíceis que seu personagem é obrigado a fazer. Há sempre mais de 1 caminho a seguir e mais de 1 combinação possível de personagens para seguir com você. Da primeira vez que joguei, tentei sempre seguir com a simpática Akane, mas nem sempre foi possível. Logo, você é obrigado a conhecer mais os outros astros do jogo, e acredite: não irá se arrepender. Todos, TODOS mesmo tem histórias fantásticas, dilemas existenciais e algo pelo que lutar. Além de serem especialistas em jogar estereótipos no chão: a mulher com roupa provocante deve ser a mais burra, não é? Não, pelo contrário: é uma das mais inteligentes de todo o game.

nine hours nine persons nine doorsOs 9 participantes do Nonary Game, ligeiramente estilizados: Ninguém, NINGUÉM MESMO, é o que aparenta ser

A tensão no jogo é total. Apesar de não existir um relógio real, ou seja, você não tem tempo para realizar as tarefas, você sente que precisa correr para salvar sua vida. As armadilhas existem, você encontra plot twists dentro de plot twists, e a gama de informações recebida durante a história é gigantesca, variada e muito interessante. Desde história até ficção científica, o jogo é recheado de dados curiosos, alguns dos quais ideais para lançar como tópico de conversa no bar.

E um diferencial desse jogo, para mim, é o romance entre Junpei e Akane – ou June, como ela acaba tendo que ser chamada durante o game. Nunca vi, em nenhum outro livro, jogo ou filme, um amor tão bonito e puro quanto os dois, um sentimento que desafia a lógica, as dificuldades e o próprio universo. Terminava cada puzzle do jogo comemorando por ter sido capaz de fazer a historia dos dois continuarem, e ansioso para ver o que o futuro reservava.

Junpei and Akane

🙂

“999 – Nine Hours, Nine Persons, Nine Doors” é uma visual novel por excelência. Personagens fortes, história rica e complexa, suspense capaz de fazer seu coração bater mais forte a cada clique na tela…E um romance ímpar que apenas coroa o jogo. Sobre a jogabilidade, apenas duas observações: os puzzles são difíceis, então não se envergonhe se for obrigado a recorrer a um detonado. E são 6 finais diferentes, ou seja: suas escolhas TEM consequências, e é melhor estar preparado para elas. No mais, curta esse excelente jogo que, se por acaso tivesse sido lançado como um livro, estaria na prateleira de 9 entre 10 gamers.

Facebook Comments

Lucas Bastos

Mestre em Comunicação, 7,8 na escala Nerd, fã obsessivo de FMA, Marvel fanboy e defensor da tese de que George Martin é melhor que Tolkien.

Um comentário em “Review: 999 – Nine Hours, Nine Persons, Nine Doors

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *