Perfil: Nicol Bolas

Não há relato de um ser tão vil e manipulador que possa ser comparado a um dos seres mais antigos conhecidos no Multiverso, o Dragão ancestral e tirano de mundos, Nicol Bolas. Sua maldade só é comparável a sua inteligência incomensurável. Sedento por mana e controlando uma ameaça tripla de mágicas azuis, pretas e vermelhas, ele é uma força de destruição vil, esmagando qualquer magia ou mente que fique em seu caminho.

O Jovem Bolas.
O Jovem Bolas.

A história de Nicol Bolas, cronologicamente, tem início milhares de anos antes da Guerra dos Irmãos Mishra e Urza, em uma Dominaria recém criada durante a Guerra dos Dragões. Ao lado dos seus irmãos Arcades Sabboth, Palladia-Mors e Cromo, e seu primo Vaevictis Asmadi, Nicol Bolas batalhou contra os Vormes Ancestrais no primeiro grande conflito do plano de Dominária. No fim, os dragões venceram e a centelha de Bolas ascendeu, es que surge o primeiro Planinauta do Multiverso, mas o preço a se pagar foi caro, o nosso primeiro Planinauta acabou sendo o único dos cinco dragões ancestrais que sobrevive a Guerra dos Dragões.

Ainda neste plano, Nicol Bolas batalhou no primeiro conflito entre Planinautas, onde o dragão batalhou contra um antigo demônio-leviatã. Luta essa que durou um mês e teve como resultado a destruição de boa parte da ilha de Madara. Bolas saiu vitorioso e após a batalha ficou se alimentando por um ano da carne e dos poderes do derrotado. Os restos mortais do leviatã ficaram no local que passou a ser conhecido como Talon Gates (Portões de Talon ou Portões Unguais).

Talon Gates (Portões de Talon - Portões Unguais)
Talon Gates (Portões de Talon – Portões Unguais)

Sua destruição não parou por aí. Anos depois Bolas matou a rainha-deusa do império de Madara e em seguida erguer seu próprio Palácio Imperial em um ponto onde se cruzam três linhas de mana azul, preto e vermelho.

Assim, o dragão planinauta tornou-se rei-deus de Madara durante 400 anos. Reinado este que foi destruído pelas mãos de seu Campeão Imperial, Tetsuo Umezawa. O campeão matou Bolas fisicamente, mas força vital do dragão permaneceu em uma fenda temporal conectada com seu Reino de Meditação. Esteve “reino particular” até o início da crise das fendas temporais, durante os eventos de Espiral Temporal, quando utilizou a centelha latente de Venser para escapar de sua prisão e renascer no mundo físico, lutando em seguida com o Planinauta Teferi.

Plano de Meditação.
Plano de Meditação.

Após esta luta, Bolas teve conhecimento do problema causado pelas fendas temporais e se responsabiliza em fechar a fenda de Madara. O dragão parte de Dominaria para Kamigawa, jurando uma terrível vingança contra a linhagem dos Umezawa e todos seus aliados. Mais tarde, Bolas retorna mais uma vez para Madara, onde foi emboscado pelo planinauta Leshrac que queria batalhar contra o ele. Tratou-se de uma batalha épica, da qual a vitória pertenceu ao dragão que além de aprisionar o derrotado, utilizou a centelha do mesmo para fechar a fenda temporal de Madara.

O Dragão deixou uma Dominária despedaçada antes da Emenda, acreditando que ela não poderia ser salva por Teferi e seus aliados. “Preparei um local adequado que me abrigasse caso necessário”, disse ele antes de partir pelos Portões de Talon. Na verdade ele já havia até começado a planejar seu próximo passo em busca do poder. Seu “local adequado” era Alara, um plano que Nicol observava há décadas. Com esse novo plano em foco, o dragão planinauta começou a recrutar agentes dos cinco fragmentos de Alara, reunindo indivíduos e grupos que pudessem secretamente realizar seus planos. Esses agentes semearam a discórdia através de caos e conflitos. Sem que ninguém além de Nicol soubesse, os Fragmentos de Alara começaram a se juntar em um plano único (fenômeno chamado de Confluência), iniciando assim uma guerra em Alara.

Após anos de maquinações tentando transformar o mundo, o triunfo de Nicol Bolas está perto.
Após anos de maquinações tentando transformar o mundo, o triunfo de Nicol Bolas está perto.

Mas por que essa sede de conquista e poder? A causa disso é obsessão de Nicol em reaver seus poderes divinos que possuía antes da Emenda. Naquela época, os Planeswalkers eram metamorfos atemporais cuja supremacia era limitada apenas pela experiência e conhecimento. Este dragão ancestral teve esse poder arrancado de si e ele fará qualquer coisa para recuperá-lo. Mas isso vai exigir inúmeras estratégias e manobras, mesmo sendo ele o mais antigo e poderoso planinauta de todos. Para Nicol Bolas, nem mesmo todo o poder do Multiverso é suficiente.

Após se estabelecer no fragmento de Grixis começou a se preparar para o momento em que ele iria usar a Confluência para recuperar seus antigos poderes. Dentre algumas de suas manipulações, destacaram-se:
º Bant: A ordem do Olho Celestial e Gwafa Hazid, fazendo-os disseminar a xenofobia e a desordem nas fronteiras das nações de Bant.
º Esper: Os Caçadores de Carmot, usados para espalhar a preocupação na população do fragmento com relação aos quase esgotados suprimentos de Etheriun e criar uma fervorosa procura por uma pedra de outro mundo chamada Carmot.
º Grixis: Malfegor, que seria usado para reunir e liderar o imenso exército de mortos-vivos, preparando suas hordas de zumbis para invadir os outros fragmentos e destruir qualquer oposição que pudesse aparecer.
º Jund: Rakka Mar, utilizada para incentivar as tribos guerreiras a buscarem por maiores “caçadas da vida”, que acabavam por extinguir muitas delas.
º Naya: Agentes em Naya responsáveis por matar o irmão de Ajani, estimulando cismas filosóficas dentro do império Nacatl. Bolas também influenciou a revolta dos Nacatl Selvagens, o que resultou na destruição da maioria das mais avançada sociedades e cidades Nacatl, fazendo a nação dos felinos regredir à selvageria.

Nicol Bolas então descobre que Tezzeret tomou o controle sobre o Consórcio Interplanar, uma organização secreta localizada em Ravnica, criada e até então controlada por Bolas, com objetivos obscuros que somente o proprio conhecia. O dragão ainda possuía suas habilidades mentais, que haviam sido utilizadas anteriormente para controlar muitas mentes, e foi atrás do artífice, que por sua vez tentou utilizar Jace Beleren para enfrentá-lo. Isto terminou em um desastre com Bolas facilmente dominado ambos planinautas mentalmente, e os dois quase não escaparam com vida fugindo da horda bárbara contratado pelo Dragão.

No final, após Jace derrotar Tezzeret em um duelo posterior e limpar sua mente, é revelado que todos os acontecimentos, na verdade, haviam sido planejados pelo dragão para que ele pudesse retomar o controle sobre o Consórcio e que Liliana Vess, que havia fingido ser amiga de Jace, na verdade trabalhava para Bolas. Após todo o episódio, Nicol Bolas recuperou o corpo ainda vivo, mas sem mente, de Tezzeret para examiná-lo.

Os planos de Bolas então começaram a render frutos. Através de suas manipulações nos fragmentos de Alara, seu plano para provocar guerra em grande escala eclodiu em toda a Alara, despertando obeliscos de mana em cada um dos fragmentos e fazendo com que o Maelstrom crescesse em magnitude. Ao longo do conflito, ele adquiriu a servidão de Sarkhan Vol, que também se uniu ao grupo de marionetes, o ajudando a espalhar sementes de destruição em toda a Naya, enquanto Bolas aguardava o momento certo.

A busca de Ajani pelo assassino de seu irmão acabou por indicar Bolas como o culpado, fazendo com que eles entrassem em um duelo no meio da maior batalha de todas – o exército de zumbís de Malfegor contra os outros exércitos de Alara. Sabendo que não poderia derrotar o dragão-deus sozinho, Ajani invocou a essência da alma do próprio Bolas para lutar contra o dragão. Nicol Bolas e sua própria alma degladiavam-se em perfeita simetria. Cada movimento era imitado perfeitamente por sua cópia em uma batalha de poderosas magias e mordidas. De repente, em um forte clarão, Bolas e sua “cópia” sumiram. Desde então, seu paradeiro é desconhecido. Não se pode afirmar se está morto ou não, se venceu ou não a batalha. As únicas certezas que se tem são de que, se ele estiver vivo, ele pode estar mais poderoso que nunca, pois ele conseguiu absorver 99% de toda a energia do Maelstrom, e de que a ameaça que ele representava para Alara teve um fim, pelo menos por enquanto.

Já se tem conhecimento de planos e maquinações de Bolas em outros lugares do Multiverso, na eterna busca de saciar sua sede por poder. Não deixem de acompanhar a Drop Hour enquanto compilo essas e outras historias.

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *