7 dicas para iniciantes em Zelda: Breath of the Wild

“Zelda 101”

O mais recente título da franquia Zelda, o aclamado “Breath of the Wild”, lançado para Wii U e Switch, vem encantando milhares de jogadores pelo mundo e tem aparecido nos sonhos de muitos outros que ainda não tiveram oportunidade de jogá-lo. Caso você tenha a oportunidade de, em breve, colocar as mãos em uma cópia dessa beleza de game, saiba que algumas dicas podem te ajudar a ter uma experiência mais completa, rica e às vezes até mais fácil.

Nesse texto, eu dou 7 dicas para esses jogadores que vão começar suas aventuras por Hyrule. Eu sei que a ansiedade para jogar é grande, mas antes de pegar no controle, vale a pena gastar uns 5 minutos conferindo esses meus conselhos:

 

  1. Complete a missão das Divine Beasts.

Divine Beasts Breath of the Wild

O bicho é grande mas a gente treta mesmo assim

Em Zelda: Breath of the Wild o jogador não é obrigado a fazer praticamente nenhuma side-quest. Até algumas main-quests, como resgatar as memórias de Link ou recuperar o controle das Divine Beasts, são opcionais. Entretanto, essa última, eu recomendo bastante que você termine. As “Divine Beasts” são imensos robôs-animais (zords?) que foram dominados por Ganon há 100 anos atrás. E elas também são as dungeons do jogo. Retomar o controle desses bichões significa não apenas entender melhor os acontecimentos de 100 anos atrás, mas oferece vantagens estratégicas para o jogador: após zerar cada uma delas, o jogador ganha 1 heart container extra, uma habilidade especial (não darei spoilers sobre isso) e esse fato será lembrado no futuro, em um certo duelo, no qual você ficará feliz em ter dedicado seu tempo a essa missão.

  1. Abra o mapa todo assim que possível.

Mapa Breath of the Wild

Exemplo da importância do mapa aberto: o ponto no meio você consegue visualizar as rotas e relevo. O resto está fechado e “invisível” ao jogador. PS: o mapa completo é bem maior que essa imagem. 

BotW tem um mapa gigantesco e por vezes o jogador fica perdido de onde está e como deve fazer para voltar pro ponto onde estava. Junte isso ao fato de que o jogo não dá o seu mapa automaticamente a você e o sofrimento triplica. Para ativar os mapas das regiões do game é necessário que Link suba todas as torres de controle das regiões e faça um “download” do material. Isso será MUITO importante para a sua vida, pois olhando a tipografia do mapa e, principalmente, os nomes das regiões, fica muito mais fácil decidir por onde é melhor passar, onde você deve ir para completar aquela side-quest que te deram, etc. Sem o mapa, seu menu fica simplesmente preto e você não tem ideia de onde está!

  1. Cozinhe com moderação.

Cozinhe Breath of the Wild

Pra que colocar 700 gramas no self-service se você só aguenta comer 500? Cuidado com o olho grande, galera.

Cozinhar nesse game é o principal e mais eficaz modo de recuperar vitalidade. Comidas simples, como uma maçã, recuperam poucos corações, enquanto pratos elaborados com diferentes ingredientes tendem a ser mais generosos na regeneração. Por mais que seja recomendável misturar as comidas, testar combinações e ser recompensado com pratos mais potentes, cozinhe com moderação. No início do game você tem apenas 3 corações. Vai demorar um tempo até que você tenha uns 10. Combinações simples de carne e frutas podem regenerar de 5 a 10 corações. Ou seja: não há necessidade alguma de gastar 3 carnes, 1 cogumelo e 1 maçã em um super prato que regenera milhões de corações se você ainda tem pouca vida. É melhor usar os mesmos recursos para cozinhar alguns pratos mais simples, porém igualmente eficazes.

  1. Use todos os amiibos que tiver todos os dias – principalmente o Wolf Link.

Amiibos Breath of the Wild

Se 1 Link já é foda, imagina dois juntos. Épico!

Se você tiver amiibos de personagens de Zelda, use-os. Se tiver amiibos de outros personagens, use também. Se tiver o de Wolf Link, ai mesmo que deve usá-lo. Todo amiibo existente é compatível com o game e pode ser usado apenas 1 vez por dia, com efeitos diferentes. Bonecos de outras franquias geram ingredientes simples (maçãs, ervas, carnes simples), enquanto que os de Zelda podem te dar pedras preciosas, flechas especiais e até mesmo itens exclusivos (Epona, roupas de Twilight Princess ou Ocarina of Time, arcos e espadas de outros games, etc). Mas é Wolf Link que tem o melhor efeito de todos: a versão lobo de Link, de Twilight Princess, aparece no game para ajuda-lo! Você vira um verdadeiro Stark, acompanhado por seu lobo gigante, que caça animais para você, ataca os inimigos e ainda fareja o que for que seja que você estiver buscando com sua Sheikah Slate.

  1. Ande sempre com flechas à mão – e de preferência 1 Ancient Arrow guardada.

Arco Breath of the Wild

Esse escudo não vai te salvar dessa flechada aqui, parceiro.

BotW é o Zelda que mais deu importância a um dos meus itens preferidos da franquia: o arco. O item te acompanha desde o início e são diversas flechas que podem ser utilizadas no game. Usar o arco te dá uma série de vantagens táticas em combate, mas também é muito útil na resolução de puzzles. As flechas especiais (fogo, gelo, elétrica e bomba) são um excelente e poderoso desafogo em situações nas quais está difícil vencer os inimigos no mano a mano e a Ancient Arrow, flecha desenvolvida para dar cabo dos Guardians, apesar de difícil de encontrar, pode ser a diferença entre sair andando vitorioso de um conflito e levar um game over. Na dúvida, tenha sempre uma dessas guardada.

  1. Ignorar os inimigos é uma opção válida e fugir também.

Inimigos Breath of the Wild

Link, olha pra trás…

Um jogador veterano de Zelda está acostumado a enfrentar todos os inimigos cara-a-cara, sem desenrolo. Considerando que em Twilight Princess, por exemplo, a maioria dos oponentes podia te dar entre 1 a 2 corações de dano, essa tática era justificada. Em BotW, entretanto, um inimigo simples armado com uma clava de fogo pode lhe arrancar 7 corações com uma só pancada. Considerando que normalmente eles andam em bandos, são uns 5, 6 ou 7 desses querendo te esfolar. Ou seja: é preciso ter muito, mas muito cuidado para evitar mais um Game Over. Pense bem como você vai enfrentar seus inimigos e se na verdade você precisa mesmo enfrentá-los. Exemplo prático: em uma das minhas side-quests, precisava chegar a um lugar. Por acaso, no caminho, me deparei com um Stone Talus, criatura gigantesca de pedra que queria me esmagar. Simplesmente saí correndo e o ignorei. Derrotá-lo iria me custar tempo, corações e danificaria algumas das minhas melhores armas. Logo, o esforço não seria compensado com a vitória, então preferi ignorá-lo e seguir com a minha vida.

  1. Encontre e vença todas as Shrines que você puder.

Shrines Breath of the Wild

Encontrar uma dessas brilhando, sob o céu nublado, dando bobeira, esperando para ser desafiada… uma das alegrias desse game. 

As Shrines, em BotW, são mini-dungeons espalhadas pelo mapa. Algumas são bem visíveis, outras estão mais escondidas e algumas outras só aparecem em side-quests. Essas Shrines apresentam desafios ao jogador, seja através de puzzles ou combates, que são devidamente recompensados com Spirit Orbs, que podem ser trocadas por Hearts Containers ou aumento na roda de Stamina. Logo, encontrar Shrines não apenas tem uma função estratégica de tornar-se pontos de Fast Travel pelo mapa, mas também ajudam Link a tornar-se mais resistente à pancada e ao cansaço. Aliás, deixo aqui uma dica: ao menos duplique a roda de Stamina de Link, porque isso será essencial para que você possa escalar melhor – algo recorrente nesse game.

 

Essas foram as minhas dicas para você, iniciante em Zelda: Breath of the Wild. Agora curta o game, não se frustre com alguns Game Over pelo caminho e salve Hyrule! Abraços.

Facebook Comments

Lucas Bastos

Mestre em Comunicação, 7,8 na escala Nerd, fã obsessivo de FMA, Marvel fanboy e defensor da tese de que George Martin é melhor que Tolkien.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *