Já vale a pena comprar um Nintendo Switch?

Há uns 2 anos atrás, quando o Switch ainda não era uma realidade, e sim apenas uma sigla misteriosa – NX, quem lembra? – escrevi um texto que tornou-se surpreendentemente popular entre os leitores. Nesse artigo eu debatia se ainda valia a pena comprar um Wii U e argumentava que achava que sim, ainda era uma ótima ideia ter o incompreendido console Nintendista. Os anos passaram, o Wii U foi lentamente deixado de lado pela empresa, o Switch foi anunciado oficialmente e recentemente lançado. Depois de quase 2 meses de Switch no mercado, muitos jogadores se perguntam: será que já está na hora de investir no console mais atual da companhia? A resposta mais correta para essa pergunta, ao meu ver, seria “depende”, mas como odeio ficar em cima do muro, eu te dou o seguinte conselho: guarda um dinheiro só mais um pouco e espera. Vamos entender o porquê.

Antes que me interpretem mal, eu gosto do Nintendo Switch. Quem acompanha a Drop Hour e principalmente os meus textos sabe que, quando o console foi anunciado, eu elogiei bastante a coragem da Nintendo, as funcionalidades do videogame e fiz pouquíssimas ressalvas. Agora que já pudemos ver o videogame em ação, mantenho quase todos os meus elogios e considero que o Switch é o único console realmente diferente do mercado: enquanto a Sony segue na mesma linha de ter o videogame monstro de potência e gráfico desde o ps2 e a Microsoft segue tentando copiar essa fórmula sem sucesso, a Nintendo aposta de novo no que ela fez de melhor: inovar. O Switch é um misto perfeito entre console de mesa e portátil, tentando agradar ao público que, principalmente graças ao Wii U, se acostumou com esse conceito. Eu me encaixo nesse grupo, logo, o Switch para mim é uma sacada genial.

O divertido trailer de lançamento do Switch, que nos apresentou o console e Karen, a garota que leva videogames para o churrasco da galera. 

Mas então porque eu acho que ainda talvez não seja o momento pra cair de cabeça na febre Switch? Porque existe uso melhor para o dinheiro que você, jogador brasileiro, terá de investir para ter uma experiência bacana com o console.

Falar em valores exatos é difícil porque isso significa deixar esse artigo muito datado. Se hoje eu disser que o Switch está custando 10x e amanhã ele custar 9x no shopping da sua cidade, parecerá que toda a minha argumentação não faz sentido. Então vou evitar falar em valores cravados e dar uma perspectiva geral do investimento necessário para se ter um Switch com todos os recursos que queremos. O primeiro ponto é: o Switch, assim como todos os consoles e jogos Nintendistas, não tem distribuidor oficial no Brasil, o que encarece demais a brincadeira. Dependemos de lojistas trazerem de fora, o que faz o valor crescer não apenas pela cotação do dólar mas pelos ridiculamente altos impostos de games no país. Na prática: o que era pra ser um videogame de 300 dólares vira um console na faixa entre 1.600 a 2.200 reais – isso porque quando chegou, teve loja passando a 3k… Muitas vezes o videogame sozinho sai por esse valor, ou seja, se você quiser ainda um jogo bacana para o videogame não virar peso de papel, coloca mais 200 a 250 reais no bolo. Quer um Mario Kart 8 Deluxe pra jogar com a família toda? Então talvez você precise de mais um par de joy-cons – os simpáticos controles do Switch – e essas belezinhas podem sair por entre 400 ou 500 reais a mais.

Esse Zelda é uma aula de fazer jogo e esse trailer é uma aula de… bem, de como fazer trailer. 

Percebe que o valor está um pouco salgado? Não estou dizendo que esse valor vai ficar mais barato daqui a 6 meses ou 1 ano: eu ACHO que sim e francamente espero estar certo, mas não posso cravar. Além disso, se você tiver esses 2.000, 2.500 reais para investir em uma máquina de diversão, então vá à luta! Mas se você terá de fazer um sacrifício enorme para levantar esse dinheiro, talvez seja melhor esperar um pouco.

Mas a questão que mais me incomoda e me faz puxar o freio de mão no trem do hype Switch são os jogos. O Switch, por incrível que pareça, tem um dos melhore line-ups dos videogames recentes da Nintendo. O primeiro ano do 3DS, por exemplo, foi desastroso – só Ocarina of Time e Star Fox 64, dois remakes, como grandes título disponíveis – e o início do Wii U também não foi muito animador. O Switch, por sua vez, inicia sua trajetória escorado em um tripé bem forte: Zelda: Breath of the Wild, Mario Kart 8 deluxe e o ainda não lançado mas já bem próximo de chegar às prateleiras das lojas, o Splatoon 2. Zelda é um jogo maravilhoso e vale cada real investido, Mario Kart 8 é certeza de diversão e Splatoon 2 parece ser ainda melhor que o primeiro, então porque ainda fico receoso com esses títulos? Porque se você for dono de um Wii U, você já teve chance de jogar tudo isso.

Mario Kart 8 deluxe chega atropelando todo mundo no Switch e garantindo seu posto de multiplayer da galera

Mario Kart 8 Deluxe é quase exatamente a mesma coisa que o Mario Kart 8 do Wii U: ele só acrescentou as fases e personagens já disponíveis por DLC para o Wii U, os Inklings de Splatoon e um modo de batalha que eu, particularmente, não sinto menor falta. Zelda: Breath of the Wild é fantástico mas também foi lançado para o Wii U e não há diferença alguma entre as versões. Splatoon 2 é um jogo novo, mas se você tem o primeiro título eu duvido que você precise desesperadamente de um console novo só para jogar seu sucessor. Logo, um dono de Wii U que tem esses games citados não terá um jogo grande, um exclusivão, realmente NOVO em sua prateleira até o fim do ano, mais ou menos.

Resumindo a história: se você já tem um Wii U com alguns desses jogos que citei, não sei se é o momento para comprar o Switch e/ou para efetuar a troca de seu videogame. Além do que a facilidade para achar controles e o custo para adquiri-los se você tem um Wii U é infinitamente menor do que se você for dono de um Switch. Para o Wii U você pode usar Wii Remotes, Wii Classic Controler, Wii U pro controller, todos a um custo não superior a 200 reais, em média.

Splatoon 2: novas armas, novas roupas, novos cabelos… mas a mesma atitude!

Entretanto, se você tem um dinheiro bom na mão e quer investir em um console que, ao que tudo indica, entrará em 2018 a todo vapor recebendo excelentes exclusivos e alguns third-parties bem fortes, adquira o seu Switch logo. Por mais que eu não ache que é o momento ideal para isso, porque adiar a diversão, certo?

Independente da sua escolha, divirta-se! Afinal, videogames foram criados para isso. Abraços!

Facebook Comments

Lucas Bastos

Mestre em Comunicação, 7,8 na escala Nerd, fã obsessivo de FMA, Marvel fanboy e defensor da tese de que George Martin é melhor que Tolkien.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *