Crítica: “Vingadores – A Era de Ultron” é um épico super-heróico. E só.

Lembro até hoje da primeira vez que assisti à “Vingadores”. Fui ao cinema na estreia, no longínquo 2012, com os mesmos amigos com os quais orgulhosamente faço esse site hoje. Lembro que a minha expectativa estava nas alturas, e felizmente todas foram correspondidas. Aqueles ERAM os maiores heróis da terra no cinema. Saí da sala de cinema tão feliz quanto uma criança de 10 anos. Eu me sentia um super-herói! Hoje, após assistir “Vingadores – A Era de Ultron” na pré-estreia (o vício só aumenta, vejam bem), saio com um sentimento diferente: a Marvel cumpriu seu dever. Nos entregou o grande filme que esperávamos. E pouca coisa a mais do que isso.

“Vingadores – A Era de Ultron” fecha a chamada “Fase 2” da Marvel nos cinemas. Mas se você não assistiu a “Homem de Ferro 3” ou “Thor: Mundo Sombrio”, não se preocupe: você ainda será capaz de compreender o filme sem problemas. Esse ponto inclusive foi uma grande surpresa para mim, pois sinceramente esperava que o longa se ligasse de maneira mais direta às aventuras solos dos heróis.

Avengers_Age_Of_Ultron-poster1“AVENGERS….” você sabe o resto né

O enredo do filme é bem simples, mas não esperava nada mais elaborado, tratando-se de um blockbuster de super-heróis. Os Vingadores (em sua mesma formação do mesmo filme e com os mesmos atores, inclusive) está à procura do cetro de Loki, perdido em meio à dissolução da S.H.I.E.L.D. O cetro em si é recuperado rapidamente, mas a equipe de super-heróis descobre rapidamente que tem outros problemas mais graves para lidar: Pietro e Wanda Maximoff (Mercúrio e Feiticeira Escarlate, respectivamente), os planos do Barão Von Strucker e as brigas dentro da própria equipe. Para tentar alcançar a paz mundial, Tony Stark decide criar uma Inteligência Artificial, capaz de ser a primeira e definitiva linha de defesa do planeta Terra. Seu nome? Ultron. Esse plano deu certo? Óbvio que não. E por isso temos um filme.

AP-01578_ROs irmãos Maximoff. Me apaixonei pela Wanda tá, só pra avisar.

Aliás, que bom que Ultron está nesse filme. O personagem é, de longe, o melhor vilão já feito pela Marvel Studios até hoje. Ele combinou o humor sarcástico de Robert Downey Jr. com a crueldade características do vilão nas HQs. E esse mix foi feito de maneira tão competente que o espectador é capaz de rir, respeitá-lo e temê-lo em uma mesma cena. Espero sinceramente rever Ultron em algum outro filme, mesmo que com menos destaque (como ocorreu com Loki em “Thor: Mundo Sombrio”).

AGE-ULTRONE você achava que essa seria a frase mais foda dele né…ledo engano

Outro personagem que se destacou positivamente foi o Gavião Arqueiro. Praticamente um figurante no primeiro filme, dessa vez a Marvel o inseriu melhor no roteiro, dando tempo para que ele desenvolvesse seu lado mais humano (e menos agente da S.H.I.E.L.D.). Os novatos, Pietro e Wanda, também não fizeram feio, e mesmo com menos tempo de ação do que os atores mais bem pagos, como Chris Evans e Robert Downey Jr., venderam bem seu peixe. Com certeza conquistaram um espacinho nos próximos filmes.

As cenas de ação estão melhores do que nunca, principalmente a sinergia de golpes entre os membros dos Vingadores. Thor e o Capitão América, por exemplo, protagonizam alguns dos melhores ataques em dupla de todos os filmes de super-heróis que eu já vi. A pancadaria entre o Hulk e a fan favorite Hulkbuster foi tudo o que o trailer nos sugeria, e os combates mano-a-mano entre Ultron e Capitão América são memoráveis.

avengers-2-age-of-utlron-screenshot-iron-man-hulkbuster-armor-4Hulk MOTHER FOCA Buster

No mais, os diálogos continuam sensacionais (aprenda, DC!) e os atores só melhoram em sua interpretação de seus personagens. Mas nem tudo são flores nesse filme, então é hora de entender quais foram os problemas que encontrei na Era de Ultron. O roteiro tem muitos furos. E olha que só vi uma vez: a tendência é que ao rever o longa, encontre ainda mais falhas. Quando digo “furos”, me refiro à fatos que parecem ocorrer sem explicação que não seja a de que “o filme precisava que acontecesse assim”.

A participação de Thor é praticamente dispensável em todo longa. O tão aguardado Visão, de quem sabíamos tão pouco e esperávamos muito, não disse a que veio. O grande plano maléfico do super-computador Ultron é, no mínimo, infantil. Algumas cenas foram claramente desenvolvidas visando agradar os fãs mais fervorosos dos quadrinhos, o que não considero ruim para um filme de super-heróis, mas que em uma análise mais crítica com certeza podem ser consideradas forçadas.

the-vision-aouVisão,te achei muito simpático, talentoso, mas meu voto é não.

“Vingadores – A Era de Ultron” nos foi vendido como um grande épico dos heróis mais poderosos da Terra. E é SIM, um grande filme! Mas não considero o melhor filme da Marvel: o primeiro Vingadores e “Capitão América: Soldado Invernal” são produções mais completas e, até certo ponto, mais revolucionárias. Mas fique tranquilo: vá ao cinema, compre sua pipoca, ajeite-se na cadeira e curta do início ao fim, porque eles são os Vingadores! Obrigado, Marvel, por me proporcionar mais essa maravilhosa experiência nerd.

OBS: ASSISTA A CENA PÓS-CRÉDITOS!

Facebook Comments

Lucas Bastos

Mestre em Comunicação, 7,8 na escala Nerd, fã obsessivo de FMA, Marvel fanboy e defensor da tese de que George Martin é melhor que Tolkien.

Um comentário em “Crítica: “Vingadores – A Era de Ultron” é um épico super-heróico. E só.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *