Review: Batman vs Superman – A origem da justiça

Batman vs Superman é um dos filmes mais aguardados pelos fãs de quadrinhos em 2016. Seja pela presença de dois ícones da DC Comics ou pela curiosidade em saber como será essa nova etapa da Warner no cinema, muitos fãs da nona arte estão indo conferir o longa. Nós da Drop Hour já conferimos e temos uma opinião desse polêmico filme. Tentaremos dar o mínimo de spoiler possível, mas um ou outro será inevitável.

O filme, antes de mais nada, apresenta uma disputa de ideologia e o reconhecimento da onipotência e distanciamento dos super-heróis em relação as pessoas normais. O diretor, Zack Snyder, apresenta o tom que esse universo da DC e Warner deverá ter, um mundo onde os meta humanos são seres comparados aos deuses e quase intocáveis.

BvS 1Não é Jesus, mas é quase

O filme começa com um breve prologo paralelo aos acontecimentos d’O Homem de Aço. Bruce Wayne (Ben Affleck), chega em uma Metropolis devastada pela luta entre Superman (Henry Cavill) e o General Zod. 18 meses se passam e Lex Luthor (Jesse Eisenberg), em uma suposta tentativa de ajudar o governo a regularizar as ações do Homem de Aço, começa a estudar os resquícios da nave kryptoniana e dá pista sobre outros meta humanos.

Com fortes inspirações do Cavaleiro das Trevas de Frank Miller, o roteirista, Chris Terrio, consegue criar um cenário divido entre aqueles que apoiam e idolatram a figura do Homem de Aço e aqueles que enxergam a sua presença como uma ameaça para a humanidade. Para tal, Terrio abusa dos telejornais e debates televisionados se intercalam com as discussões no senado e a constante reflexão sobre até onde o Superman, um ser comparado a um deus, tem o direito de agir sem responder as autoridades. Esse cenário caótico e dividido é o que Luthor precisa para executar o seu plano e colocar em rota de colisão os maiores heróis daquele universo.

BvS 2Eu vou bater nesse filho da puta com esse outro filho da puta

Os 151 minutos do filme são divididos em três grandes atos que tentam equilibrar todo o suspense a ação que o filme propõe. Em um primeiro momento temos o embate filosófico e ideológico entre Clark Kent e Bruce Wayne. Embate esse que culmina na pancadaria de seus alter egos e, por fim, a união de ambas as partes para combater a grande ameaça, o Apocalipse. As batalhas, tanto entre os heróis quanto a batalha final, são bem grandiosas e confirmam, mais uma vez, o distanciamento da realidade que a Warner quer para os seus filmes. O poderoso Apocalipse e a brutalidade como Batman e Superman duelam são ponto que agitam os fãs.

BvS 3Sério, ver essa trindade no cinema foi de arrepiar

Vale destacar que, apesar de ser um filme desses dois heróis, o personagem que conduz toda a trama e acaba roubando os holofotes é Lex Luthor. Megalomaníaco e muito ardiloso, Luthor manipula todos e se beneficia do caos para conseguir poder e conhecimento.

BvS 5Melhor personagem do filme, facilmente

Outra presença importante é a de Gal Gadot, a Mulher Maravilha, que brilha no seu breve momento em tela e faz crescer o hype em cima da heroína e das ótimas cenas de ação que poderá proporcionar em seu filme solo.  Diana, assim como Wayne, se mostra experiente e precavida com as ações de Luthor e acaba servindo para introduzir outro tema do filme, a existência dos demais heróis da DC e a importância da sua união, que resultará na formação da Liga da Justiça.

BvS 6Talvez a melhor surpresa desse filme, a sua breve aparição me fez ficar na hype pro filme.

No entanto, nem tudo são flores nesse filme e algumas críticas negativas tem sim suas justificativas. No que diz respeito ao roteiro, filme acaba pecando no excesso e acaba querendo por mais do que deveria, causando alguns furos e resoluções apressadas. Em diversos momentos os cortes de cena feitos de maneira brusca e a presença conveniente de certos personagens em certos momentos (a Louis é onipresente), acaba deixando o filme um pouco bagunçado. Outro ponto que pode ser mal interpretado (embora tenha gostado), são os sonhos dos Batman que acabam servindo de fanservice, mas poderiam ser facilmente retirados. Outro ponto questionável são as soluções de roteiro para resolver certos conflitos que acabam sendo artificiais e incoerentes.

Outro ponto que o negativo é no uso excessivo da computação gráfica, fazendo com que as cenas fiquem desnecessariamente artificiais. Esse excesso se realça, principalmente, na cena do batmóvel e na luta final.

BvS 4Ficou feio, ficou rude…

Com personagens beirando o divino e diversas referências aos quadrinhos, Zack Snyder dita o tom que deveremos ver nos próximos filmes. Apesar de um roteiro corrido e mal explicado, o filme tem seus pontos positivos e é sim uma bela homenagem aos fãs. Mesmo com a divisão da crítica, uma coisa é certa: Batman vs Superman é um filme que deve ser conferido por todos os fãs de quadrinhos.

Facebook Comments

Lucas Mizumoto

Professor de japonês, amante de cinema e telespectador de desenho japonês desde que se entende por gente .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *