8 momentos marcantes de The Walking Dead

“E nenhum deles envolve o Daryl – mentira, só 1, mas só um pouquinho”

Eu já chorei com The Walking Dead. Eu já ri compulsivamente também. Já sofri, esperneei, xinguei o Robert Kirkman e toda sua família, enfim… Manifestei diversas emoções durante a minha experiência com esse universo tão complexo quanto sombrio. Eu credito esse nível de envolvimento do leitor com a obra ao enredo de alto nível, recheado de momentos marcantes que ativam esse retorno emocional.

Como eu adoro fazer lista sobre os mais diversos – e estranhos – temas possíveis, resolvi enumerar quais foram os oito momentos mais marcantes de The Walking Dead. Mas que fique claro: estou abordando aqui o universo TODO da franquia. Ou seja: analisei as HQs, os livros, os games e a série – apesar dessa última ser oficialmente um universo paralelo. Outra observação: quase todos os episódios ou cenas lembradas aqui são tão importantes que revelam parte do enredo da história, tornando-se assim um verdadeiro SPOILER. Para evitar que algum comentário do texto estrague a surpresa, avisaremos exatamente quando tal momento ocorre, ok?

Agora vamos logo à lista antes que um walker apareça:

A despedida de Lee e Clementine (Episódio 5 de The Walking Dead: The Game – Season One)


The Walking Dead Lee MorteNós também vamos 🙁

SPOILER! Se você ainda não jogou a primeira temporada do game de TWD produzido pela Telltale Games, pula pro próximo parágrafo. Melhor ainda:  compre o game, comece a jogar logo e em seguida venha ler esse tópico. A despedida de Lee e Clementine é sublime: bela e trágica ao mesmo tempo. Os companheiros de vida pós-apocalipse zumbi encontram-se frente a frente com um destino inevitável – a morte de Lee – e devem seguir caminhos opostos. Lee se vê obrigado a escolher a morte, enquanto Clementine precisa continuar sobrevivendo. Mas eles são melhores amigos, quase pai e filha, então tal separação é inimaginável. Porém, é também obrigatória. O máximo que você jogador pode opinar nesse trágico desfecho é se Clementine evitará uma zumbificação de Lee ou se o exército dos mortos ganhará mais uma alma. Após realizar essa última escolha, só resta enxugar as lágrimas e relembrar os bons (?) momentos que os dois passaram juntos.

O “nascimento” do Governador (Livro – A Ascensão do Governador)


The Walking Dead Ascensão do Governador CapaA capa do primeiro livro da franquia

Se você pretende ler esse livro – o que recomendo DEMAIS – não leia esse tópico, pois ele entrega um turning point da obra. O Governador das HQs sempre se identificou como Philip Blake, mas durante a leitura de “A Ascensão do Governador” descobrimos que o verdadeiro Philip morre logo após sua chegada em Woodbury. Seu problemático irmão Brian Blake acaba assumindo seu nome, sua personalidade e seus fardos – leia-se a menina zumbi Penny Blake – e transforma-se na figura do Governador. A transformação mental sofrida pela personagem, a negação da personalidade com objetivo de incorporar o espírito do falecido irmão, esse processo é tão bem escrito e desenvolvido de maneira tão rica que torna-se inesquecível. Esse momento é The Walking Dead em sua essência.

O encontro de Glenn e “Lucille” (HQ – Edição 100 de The Walking Dead)


The Walking Dead Glenn e LucilleDeve ser só uma virose, daqui a pouco você já tá melhor

Você sabe quem é Negan? Sujeito grande, mal, pedra no sapato do grupo do Rick, principalmente do Glenn? Caso não saiba, pula pro próximo tópico, pois lá vem spoiler. Glenn é o sujeito escolhido por Negan para ter um encontro fatal com Lucille, nome carinhoso dado ao seu querido bastão de beisebol adornado com arame farpado. Glenn é brutalmente assassinado, tendo seu crânio obliterado à base de pancadas de Lucille. O objetivo por trás desse ato brutal: mostrar quem é que manda, basicamente. A cena é muito forte e marcante não só pela violência empregada, mas por mostrar o quanto Negan é sádico e até que ponto ele pode chegar para manter sua autoridade. É nesse episódio em que descobrimos que existe gente pior no mundo de “The Walking Dead” do que o falecido Governador.

O grave ferimento de Carl (HQ – Edição 83 de The Walking Dead)

The Walking Dead Carl OlhoBota um gelo que passa

Não estou falando do ferimento que leva Carl até à fazenda de Hershell (tanto na HQ quanto na série), mas sim de um episódio ocorrido lá pra frente, na edição citada ali em cima. Após um tiroteiro com zumbis, Carl recebe uma bala perdida diretamente no rosto. Mais precisamente no seu olho direito, acidente responsável por arrancar quase metade do seu rosto. A cena, desenhada em duas páginas, é grotesca e brutal: inclusive fica os parabéns ao artista Charlie Adlard pela coragem ao desenhar a cena. Nunca esquecerei a representação daquele pré-adolescente com metade do rosto destruído e um buraco no lugar do olho. Naquele momento lembro de ter me perguntado: “será que o Kirkman não foi longe demais aqui?”. Depois, com calma, percebi que esse é o propósito da obra em geral: mostrar que sempre a situação pode piorar, que nada é eterno ou imutável e que destruição e morte estão sempre à espreita.

A descoberta da verdade sobre o CCD (Série – Último episódio da Primeira Temporada)

The Walking Dead CCD

Eu gostava do jeito que o Shane tentava resolver as coisas

Não sou fã da série, já disse isso algumas vezes. Mas a primeira temporada é uma das minhas preferidas, principalmente por ser capaz de apresentar o universo zumbificado de maneira curta, direta, sincera e competente. A sequência do CDC – Centro de Controle de Doenças – é um filler, ou seja, não se baseia em algo existente nas HQs, mas considero uma excelente adaptação. É nesse momento em que Rick e seu grupo recebem um choque de realidade: não existe lugar seguro na terra! Não há mais governos nem forças armadas, nem combustível suficiente para manter um abrigo a longo prazo, muito menos conhecimento sobre o que causou a zumbificação ou como curá-la. A humanidade caminha lenta e dolorosamente rumo à extinção.

O “sonho” de Clementine – (Episódio 5 de The Walking Dead: The Game – Season Two)


The Walking Dead Clementine e Lee#voltaLee

O título do tópico já explica quando acontece esse momento, então vamos direto à análise. Clementine tinha acabado de levar um tiro, perdeu a consciência e o jogador – quase às lágrimas, como eu – se perguntava se era o fim de sua história. Eis que Lee reaparece do fucking nada! Um reencontro pós-vida? Uma alucinação da menina agonizante? Não, apenas uma lembrança de um momento ocorrido ainda na primeira temporada do game, mas nunca antes mostrado ao jogador. Nessa conversa, Lee explica à garota a realidade do mundo adulto: não há certezas, tampouco escolhas difíceis, e devemos fazer de tudo para proteger quem amamos. Ao final, o jogador ainda tem a opção de fazer Clementine pedir a Lee para nunca abandoná-la… Ele até promete, mas infelizmente não é capaz de cumprir com sua palavra. Triste demais…

O encontro quase fatal entre o Governador e Rick (Edição 28 de The Walking Dead)

The Walking Dead Governador e Rick

Ok, chega de piadas sobre diagnósticos. 

Pouco tempo depois do Governador e Rick se encontrarem, o déspota percebe que o recém-chegado a Woodbury não será tão gentil quanto gostaria. Para lhe dar uma lição, o vilão simplesmente mutila Rick, arrancando sua mão direita! Lembro que quando lia a HQ e cheguei a essa cena, soltei um estrondoso palavrão e reli umas 5 vezes até me convencer de que aquilo havia realmente acontecido. Em quantas histórias o protagonista é mutilado pelo vilão? Eu esperava até mesmo que Rick morresse em algum momento – francamente, isso é TWD, todos podem morrer – mas não esperava que Kirkman fosse aleijar o personagem principal da trama pelo resto da história. Felizmente o autor topou esse desafio e nos presenteou com um dos momentos mais marcantes da HQ.  Fiquei muito irritado quando o arco do Governador na série foi concluído sem que essa cena ocorresse, mas depois pensei que provavelmente custaria uma fortuna para os produtores ter de usar efeitos especiais no ator em todos os episódios para apresentá-lo sem a sua mão direita dali em diante. Ainda assim, é uma pena.

O fim de Shane (Série – 12º episódio da Segunda Temporada)


The Walking Dead ShaneNessa cena eu aposto que você pensou “huuum…isso vai dar uma merda…”

Confesso que não sou fã da segunda temporada da série – acho que os roteiristas esticaram demais um plot que, de maneira geral, não exigia tanto detalhamento. Mas tenho que admitir que a série conseguiu desenvolver de maneira mais completa e complexa a intensa rivalidade entre Rick e seu melhor amigo, Shane. Na segunda temporada, o espectador testemunha uma montanha-russa de emoções na relação entre os dois personagens: às vezes rola a sensação de que os dois vão se espancar até a morte, mas em outros momentos parece que conseguiram chegar a um acordo para colocar as diferenças de lado e tentar sobreviver. Mas no final nós sabemos o que acontece: Shane perde a paciência de vez, e bastante influenciado por sua paixão por Lori e pelo desejo de tornar-se o marido dela e protetor de Carl, arma uma emboscada para Rick.  Infelizmente para ele, no duelo final Rick leva a melhor e mata o seu melhor amigo. Nem o zumbi Shane consegue finalizar o serviço: Carl tira sua “vida” novamente e termina esse belíssimo momento de The Waking Dead.

Essa foi a minha lista dos 8 momentos mais marcantes de The Walking Dead (ao menos até agora, né, porque muita coisa ainda há por vir). Como ficaria a sua lista? Não deixe de comentar aqui. Abraços!

 

Facebook Comments

Lucas Bastos

Mestre em Comunicação, 7,8 na escala Nerd, fã obsessivo de FMA, Marvel fanboy e defensor da tese de que George Martin é melhor que Tolkien.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *